Economistas veem estouro da meta de inflação em 2016, com alta do IPCA a 6,64%

segunda-feira, 23 de novembro de 2015 09:45 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O Banco Central não deve cumprir a meta de inflação em 2015 e também em 2016, segundo as mais recentes projeções de economistas consultados pela própria autoridade monetária na pesquisa semanal Focus, que também passaram a indicar uma taxa de juros mais elevada no próximo ano.

De acordo com o levantamento, a expectativa é de alta do IPCA em 2016 a 6,64 por cento, 0,14 ponto percentual a mais sobre a semana anterior. Para 2015, as contas do indicador também pioraram, com avanço de 10,33 por cento, sobre 10,04 por cento.

Para ambos os anos, a meta do governo é de 4,5 por cento pelo IPCA, com tolerância de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Em caso de descumprimento da meta, o BC é obrigado a fazer explicações públicas.

O cenário de inflação mais pesado veio mesmo com os economistas consultados piorando suas projeções para a taxa básica de juros. De acordo com a pesquisa divulgada nesta segunda-feira, a expectativa para a Selic no final de 2016 subiu a 13,75 por cento, sobre 13,25 por cento na semana anterior.

Entretanto, não houve alterações na perspectiva de que a taxa será mantida nos atuais 14,25 por cento na reunião desta semana do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC, a última do ano.

O Focus mostrou ainda que as expectativas para a alta dos preços administrados aumentou 0,43 ponto percentual em 2015, a 17,43 por cento, porém para 2016 não houve alteração na projeção de avanço de 7,0 por cento.

Em novembro, o IPCA-15 acelerou a alta a 0,85 por cento e o avanço chegou a 10,28 por cento em 12 meses, ultrapassando o patamar de 10 por cento no acumulado em 12 meses pela primeira vez em 12 anos.

O cenário para a economia também voltou a piorar e a pesquisa com uma centena de economistas mostra que agora a expectativa de contração do Produto Interno Bruto (PIB) de 2015 é de 3,15 por cento, contra queda de 3,10 por cento antes.

Já a projeção para a retração econômica em 2016 foi ajustada para 2,01 por cento, ante 2,0 por cento.   Continuação...

 
Sede do Banco Central, em Brasília.  23/09/2015    REUTERS/Ueslei Marcelino