J&F compra controle da Alpargatas por R$2,67 bi

segunda-feira, 23 de novembro de 2015 17:48 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O grupo de investimentos J&F acertou acordo para comprar o controle da fabricante de calçados e vestuário Alpargatas, dona da marca de sandálias Havaianas, por 2,67 bilhões de reais, em uma operação na que a atual controladora Camargo Corrêa venderá sua participação.

O valor equivale a um preço por ação de 12,85 reais da Alpargatas, ordinária ou preferencial, detida pela Camargo Corrêa. Isso representa um prêmio de cerca de 32 por cento sobre a cotação de fechamento do papel preferencial da Alpargatas no último pregão na bolsa paulista e de 28,6 por cento sobre a ação ordinária.

O preço será pago à vista, na conclusão da operação, segundo comunicado ao mercado divulgado mais cedo.

A J&F, que controla a maior processadora de carnes do mundo, JBS, está comprando 161.846.378 ações ordinárias e 45.729.086 preferenciais da Alpargatas, representando 66,99 por cento e 19,98 por cento dessas classes de papéis, respectivamente. O negócio envolve 44,12 por cento do capital total da empresa de moda.

A operação está condicionada ao lançamento de uma oferta pública de aquisição de ações (OPA) da Alpargatas pela J&F, que disse não ter intenção no momento de cancelar o registro de companhia aberta da empresa de moda no prazo de um ano. A Alpargatas tem capital aberto há 102 anos.

Às 13h20, as ações com direito a voto da Alpargatas subiam 2,10 por cento na Bovespa, a 10,20 reais, com o preço se alinhando ao valor estimado a ser pago aos acionistas minoritários na OPA.

Já as ações preferenciais da companhia, que não serão alvo de OPA, recuavam cerca de 7 por cento, cotadas a 9,04 reais. Essa classe de papéis acumulou valorização de quase 45 por cento desde que a Camargo Corrêa anunciou, no começo de outubro, que analisava alternativas para seu investimento na Alpargatas.

Para a Camargo Corrêa, que está presente no capital da Alpargatas desde 1982, a transação ocorre no momento em que o grupo sofre as consequências das investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que apura escândalo bilionário de corrupção envolvendo a Petrobras.

Em agosto, a construtora Camargo Corrêa, uma das empresas do grupo, assinou acordo de leniência com o Ministério Público Federal em que reconhece crimes como cartel, fraude à licitação, corrupção e lavagem de dinheiro, se comprometendo a devolver 700 milhões de reais.   Continuação...

 
Sandálias Havaianas. 18/03/2003 REUTERS/Paulo Whitaker