Engevix destrava financiamento do BNDES e tenta vender hidrelétrica de R$700 mi

terça-feira, 24 de novembro de 2015 16:44 BRST
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A construtora Engevix conseguiu retomar o financiamento, pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), da hidrelétrica de São Roque, que está sendo construída em Santa Catarina, um projeto orçado em 700 milhões de reais, o que facilita a venda do ativo.

Em nota enviada à Reuters, a companhia disse que "70 por cento da obra já está concluída e o grupo Engevix continua interessado em vendê-la".

A Engevix, uma das construtoras investigadas pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal, tem tentado fazer caixa com a negociação de ativos, após suas finanças terem sido afetadas pelo escândalo de corrupção que tem a Petrobras como epicentro.

Em correspondências enviadas à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em outubro e vistas pela Reuters, a empresa queixava-se de que o banco de fomento havia parado os repasses em setembro deste ano, o que levou à paralisação da construção da usina no mês passado.

A Engevix, que disse já ter aportado cerca de 530 milhões de reais no empreendimento, informou que as obras serão retomadas brevemente.

À Reuters, o BNDES afirmou que "não há atraso" e que "os desembolsos do banco ocorrem de acordo com o andamento da obra e mediante a realização de contrapartida dos empreendedores".

Nas cartas trocadas com a agência reguladora, a Engevix apontou que a chinesa Three Gorges seria uma das interessadas na hidrelétrica São Roque, e anexou um e-mail em que um executivo da CTG afirmou que o ativo teria sinergias com a usina de Garibaldi, que os orientais compraram recentemente junto à Triunfo.

Em nota à Reuters, a Three Gorges disse que "quer ser uma empresa relevante no mercado de energia limpa no Brasil e está aberta a analisar projetos de energia renovável que apresentam um retorno adequado e riscos aceitáveis".   Continuação...