BCs da Europa enfrentam dilema com aproximação de aperto monetário do Fed

quinta-feira, 26 de novembro de 2015 09:31 BRST
 

Por Paul Taylor

BRUXELAS (Reuters) - Os bancos centrais da Europa estão enfrentando dilemas divergentes sobre como reaquecer a inflação e sustentar o crescimento econômico no momento em que o Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, se prepara para começar a elevar a taxa de juros pela primeira vez desde o colapso do banco Lehman Brothers.

Embora seja amplamente esperado que o Fed inicie um aperto da política monetária de forma lento mas estável a partir de dezembro, em resposta aos sólidos números de emprego e crescimento dos EUA, o Banco Central Europeu (BCE) provavelmente vai afrouxar ainda mais a política monetária no dia 3 de dezembro.

"Ele (o BCE) não pode correr o risco de decepcionar os mercados, tendo levantado expectativas de ação", disse Ken Wattret, do BNP Paribas, refletindo a visão da grande maioria dos economistas consultados pela Reuters.

Isso é porque a inflação permanece próxima a zero nas 19 nações da zona do euro, e o núcleo da inflação, que exclui os preços de energia e os fatores sazonais, é de cerca de 1 por cento, contra meta do BCE de perto mas abaixo, de 2 por cento.

Enquanto isso, o banco central britânico ainda está ponderando quando fará sua primeira elevação da taxa de juros, e os bancos centrais da Suíça e da Suécia estão preocupados sobre como combater o excesso de valorização de suas moedas já que a perspectiva de taxas ainda menores do BCE torna o euro mais barato.

Os bancos centrais da zona do euro, da Suíça, Dinamarca e Suécia já levaram a taxa de depósito dos bancos para abaixo de zero, com os países que não usam o euro tendo que ir mais fundo no território negativo para estabilizar suas taxas de câmbio.

Os dilemas de política diferem, mas eles têm um traço comum: é cada vez mais difícil para os bancos centrais reavivar a inflação em economias que sofrem reduções no potencial de crescimento de longo prazo devido ao investimento baixo, desemprego alto e envelhecimento populacional.

(Reportagem adicional de John O'Donnell e Frank Siebelt em Frankfurt, Joshua Franklin e Paul Arnold em Zurique)