Elétrica espanhola Abengoa desaba na bolsa com temores de insolvência

quinta-feira, 26 de novembro de 2015 11:39 BRST
 

MADRI (Reuters) - A elétrica espanhola Abengoa tem uma segunda sessão consecutiva de fortes perdas na bolsa nesta quinta-feira, com uma queda expressiva no valor das ações, fazendo com que os 350 milhões de euros que a também espanhola Gestamp pretendia injetar na empresa em troca de uma fatia de 28 por cento no negócio já valem mais que todo o grupo de engenharia e energia renovável.

As ações da Abengoa caíam quase 26 por cento nesta manhã, após uma perda de 54 por cento na véspera, o que faz com que o valor de mercado da empresa seja atualmente de pouco mais de 300 milhões de euros.

A Abengoa, com um balanço afogado em dívidas e extrema necessidade de caixa, se viu forçada na quarta-feira a anunciar que iria iniciar um processo de recuperação judicial, depois que a Gonvarri --filial da Gestamp-- retirou sua proposta de acordo devido à negativa de bancos de injetar recursos no grupo.

Em troca de aportar capital novo na Abengoa, a Gestamp buscava que os bancos aceitassem ativar linhas de crédito de 1,5 bilhão de euros e que o programa de desinvestimentos da companhia fosse paralisado.

A delicada situação do grupo controlado pela influente família Benjumea, de Sevilha, provocou também barulho nos mercados de bônus e ações, com sinais de preocupação emitidos por políticos e sindicalistas na Espanha, onde a Abengoa emprega quase 7 mil pessoas, de um quadro global de 24 mil trabalhadores.

Com uma dívida bruta declarada de 8,9 bilhões de euros, mas com um passivo global sensivelmente superior, a Abengoa, com quase 75 anos, poderá entrar no maior processo de falência da história espanhola se não alcançar um acordo nos próximos quatro meses.

No Brasil, a Abengoa possui diversos projetos em andamento no segmento de transmissão de energia elétrica.

(Por Jose Elías Rodríguez; reportagem adicional de Robert Smith, Helen Bartholomew e Andrés González)