Dólar tem leve queda, a R$3,74, em dia de baixo volume por feriado nos EUA

quinta-feira, 26 de novembro de 2015 17:19 BRST
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou com leve queda em relação ao real nesta quinta-feira, em uma sessão marcada por baixo volume de negócios devido ao feriado do Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos e à cautela após a prisão do ex-líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS), na véspera.

O dólar recuou 0,11 por cento, a 3,7465 reais na venda, após subir 1,26 por cento na véspera.

"O mercado hoje foi muito raso, por causa do feriado nos Estados Unidos. Poucas operações e poucos movimentos", disse o operador da corretora B&T Marcos Trabbold.

O baixo volume deixou as cotações mais sensíveis a pequenos negócios. Os mercados norte-americanos não abriram nesta sessão e funcionarão com horário reduzido na sexta-feira.

No cenário local, o mercado continuou adotando cautela em meio ao quadro de incertezas políticas. O Senado votou na noite passada pela manutenção da prisão de Delcídio, determinada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeita de obstrução no andamento da operação Lava Jato, que investiga esquema de corrupção na Petrobras.

Investidores temem que a prisão atrapalhe os esforços do governo para aprovar no Congresso medidas de austeridade fiscal. Analistas consultados pela Reuters afirmam que a notícia abala ainda mais a confiança dos agentes econômicos no curto prazo, mas acreditam que a detenção não deve impedir as votações diante do cenário de recessão.

"(A prisão de Delcídio) não é o cataclisma que parecia na abertura (dos negócios) de ontem, mas é mais um motivo para o mercado ficar cauteloso", disse o operador de uma corretora nacional.

Mesmo com o contexto de indefinições, o Banco Central informou nesta manhã que o Brasil registrou entrada líquida de 3,159 bilhões de dólares em novembro até o dia 24 por meio do fluxo cambial, mostrando que o apetite por ativos brasileiros segue elevado.

O BC deu continuidade, pela manhã, à rolagem dos swaps cambiais, equivalentes à venda futura de dólares, que vencem em dezembro. Até agora, a autoridade monetária rolou o equivalente a 10,013 bilhões de dólares, ou cerca de 92 por cento do lote total, que corresponde a 10,905 bilhões de dólares.