Vale contesta MPF e diz que mineração em Onça Puma está paralisada

sexta-feira, 27 de novembro de 2015 19:25 BRST
 

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A mineradora Vale contestou nesta sexta-feira o Ministério Público Federal no Pará (MPF/PA) e afirmou que as atividades de mineração de níquel de Onça Puma, no Estado, estão paralisadas desde 9 de outubro, cumprindo decisão judicial.

A ordem de paralisação, dada em 8 de outubro, foi resultado de um recurso impetrado pelo MPF em um processo que acusa a mineradora por descumprimento da licença ambiental da mina e pela contaminação do rio Cateté por metais pesados.

"A Vale informa que desde 09/10 vem cumprindo a decisão judicial de paralisação da atividade de mineração em Onça Puma, localizada em Ourilândia do Norte (PA)", afirmou a empresa em nota enviada à Reuters.

Segundo a companhia, a Vale já ingressou com recurso visando reestabelecer as atividades, apresentando laudos técnicos que "comprovam a inexistência de relação entre a sua atividade e os elementos dissolvidos encontrados na água do Rio Cateté".

A procuradora da República do MPF/PA Luisa Sangoi afirmou à Reuters nesta sexta-feira que os índios locais enviaram relatos e provas de que Onça Puma não parou.

"A Vale diz que está cumprindo, mas os índios dizem que as atividades não estão suspensas... Além dos relatos dos índios, recebemos fotos das associações indígenas", afirmou a procuradora.

Segundo ela, nesta semana, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) enviou ofício à Justiça Federal em Redenção (onde começou o processo judicial) para que obrigue a paralisação.

Além da paralisação da mina, o processo judicial sobre a Onça Puma também trata da compensação socioambiental aos índios.   Continuação...