Preços altos levam produtores brasileiros a recomprar açúcar que seria exportado

segunda-feira, 30 de novembro de 2015 18:22 BRST
 

LONDRES/SÃO PAULO, (Reuters) - Uma oferta mais apertada de açúcar branco e etanol no Brasil levou produtores do país a comprar de volta açúcar bruto que foi vendido a tradings para exportação, disseram operadores.

A demanda em alta por açúcar branco de baixa qualidade 150-ICUMSA e por etanol anidro no Brasil, disseram as fontes, incentivaram as recompras pelos produtores, ou "washouts" como são chamadas essas negociações.

"Eu ouvi falar desses negócios, realizados por alguns grupos de açúcar na região Centro-Sul nas últimas semanas", disse João Paulo Botelho, um analista de açúcar e etanol da INTL FCStone em Campinas.

O órgão de pesquisas de mercado agrícola Esalq, da Universidade de São Paulo, disse em um relatório semanal nesta segunda-feira que os preços domésticos do açúcar na semana passada estavam 15 por cento maiores que para exportações.

Um indicador semanal para o açúcar cristal teve média de 77,86 reais por saca de 50 kg, ante um equivalente de 67,25 reais por saca do contrato futuro para março da bolsa ICE, de Nova York.

As fortes chuvas em áreas de cultivo de cana no Centro-Sul desaceleraram a moagem e diminuíram a disponibilidade doméstica, reduzindo o conteúdo de açúcar na cana e aumentando os incentivos para a produção de etanol.

"As recompras de produtores são simples confirmações de que o suprimento de açúcar e etanol está apertado no período de preparação da entressafra no Centro-Sul do Brasil", disse o consultor da Agrilion Michael Liddiard.

"O mercado de exportações ainda está forte, mas há um limite para o que pode ser produzido."

Os últimos negócios físicos de açúcar bruto do Centro-Sul do Brasil para entrega imediata tiveram desconto de cerca de 63 pontos ante o primeiro contrato da bolsa ICE, comparado com um desconto de 70 pontos em meados de outubro.   Continuação...