BC do Japão não vai hesitar se emergentes ameaçarem tendência da inflação, diz autoridade

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015 08:56 BRST
 

Por Leika Kihara

OKAYAMA, Japão (Reuters) - O banco central do Japão está preparado para afrouxar a política monetária novamente se mais deterioração das economias emergentes prejudicar a ampla tendência de alta da inflação japonesa, disse o vice-presidente do banco, Kikuo Iwata, nesta quarta-feira.

Iwata expressou confiança de que a economia japonesa está a caminho de atingir a meta do banco central de inflação de 2 por cento, e atribuiu as recentes quedas nos preços aos consumidores ao declínio dos custos da energia.

Um mercado de trabalho mais apertado vai elevar os salários e sustentar os gastos das famílias, enquanto as companhias estão usando seus lucros corporativos recordes em gastos de capital, disse ele.

Mas Iwata alertou que há "fortes riscos de baixa" na perspectiva de exportações e produção, devido à desaceleração do crescimento entre as economias emergentes.

"O risco mais significativo no momento é a possibilidade de mais desaceleração nas economias emergentes... exercer efeitos negativos sobre a economia japonesa e pesar sobre a tendência básica da inflação", disse Iwata em um discurso a líderes empresariais em Okayama.

"Se tais riscos se materializarem e ameaçarem a tendência básica da inflação, o banco central vai ajustar sua política sem hesitação."

Iwata disse que o banco central japonês pode manter sua política monetária no momento, desde que a chance de tais riscos aumentarem acentuadamente forem baixas no futuro próximo.