China diz que cortará emissões do setor elétrico em 60% até 2020

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015 12:01 BRST
 

PEQUIM (Reuters) - A China vai reduzir emissões dos principais poluentes no setor de energia elétrica em 60 por cento até 2020, segundo anúncio do governo nesta quarta-feira, depois de encontro de líderes mundiais em Paris para discutir o aquecimento global.

A China vai também reduzir as emissões anuais de dióxido de carbono para geração de energia a carvão em 180 milhões de toneladas até 2020, disse o site do jornal oficial Diário do Povo, que não informou como o resultado será alcançado.

A capital chinesa, Pequim, tem sofrido com uma asfixiante poluição nesta semana, disparando um "alerta laranja", o segundo maior nível, fechando rodovias, parando ou suspendendo construções e orientando as pessoas para que fiquem em ambientes fechados.

A poluição foi causada por clima "desfavorável", disse o Ministério de Proteção do Ambiente. Emissões ao norte da China sobem fortemente durante o inverno, à medida que sistemas de aquecimento urbanos são ligados e ventos fracos não dispersam o ar poluído.

Esse ar perigoso ressalta os desafios do governo, em um momento em que a poluição causada pela indústria de energia a carvão levanta questionamentos sobre a capacidade do país de limpar sua economia.

A redução no uso de carvão e a promoção de formas mais limpas de geração de energia terão um papel crucial nas promessas da China de chegar a um pico de emissões de gases do efeito estufa em 2030.

O representante da China nas negociações de Paris, Su Wei, disse que "notou com preocupação" o que chamou de uma falta de comprometimento dos países ricos em realizar cortes mais profundos em suas emissões e ajudar nações em desenvolvimento com a financiar o combate ao aquecimento global.

(Por Sue-Lin Wong)

 
Poluição vista em Pequim.  26/02/2014     REUTERS/Jason Lee