Dólar cai 1,5% e vai abaixo de R$3,80, após abertura de processo de impeachment e BCE

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015 12:34 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar caía 1,5 por cento, abaixo de 3,80 reais nesta quinta-feira, com investidores recebendo bem a abertura de processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, mas ainda ponderando as implicações da decisão para a economia brasileira e os mercados financeiros.

Também contribuía para a queda da moeda norte-americana o anúncio de novos estímulos monetários pelo Banco Central Europeu (BCE) nesta manhã, que aumentam a atratividade de investimentos em mercados emergentes.

Às 12:19, o dólar recuava 1,52 por cento, a 3,7773 reais na venda, após atingir 3,7723 reais na mínima da sessão.

"A (eventual) saída de Dilma é vista como positiva e representa mudanças. Entretanto, temos que lembrar que o processo é longo e incerto, fragiliza ainda mais o já combalido governo do PT e coloca o país mais perto de perder o seu segundo grau de investimento", disse o operador da corretora SLW João Paulo de Gracia Correa.

Na noite passada, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), aceitou o pedido de abertura de processo de impeachment contra Dilma. O processo ainda precisa tramitar por diversas etapas antes de resultar em uma votação final que decida o futuro da presidente.

O cenário externo também corroborava o alívio no câmbio, após o BCE reduzir sua taxa de depósito a -0,30 por cento e anunciar a extensão de seu programa de compra de ativos. Nesse contexto, a moeda norte-americana também recuava contra moedas como os pesos chileno e mexicano.

A atuação do Banco Central brasileiro completava o quadro favorável para o real, após a autoridade monetária anunciar para esta tarde leilão de venda de até 500 milhões de dólares com compromisso de recompra. Segundo a assessoria de imprensa da autoridade monetária, a operação não tem como objetivo rolar contratos já existentes.

O BC também deu continuidade, pela manhã, à rolagem dos swaps cambiais que vencem em janeiro, com oferta de até 11.260 contratos, que equivalem a venda futura de dólares. Até agora, a autoridade monetária já rolou o equivalente a 1,645 bilhões de dólares, ou cerca de 15 por cento do lote total, que corresponde a 10,694 bilhões de dólares.

"O mercado embalou em uma onda de bom humor hoje, mas não acredito que isso dure. A volatilidade deve continuar bastante elevada", disse o analista de uma corretora internacional.

(Por Bruno Federowski)

 
Notas de real e dólar vistas em casa de câmbio no Rio de Janeiro.  10/09/2015   REUTERS/Ricardo Moraes