ENTREVISTA-Exportador argentino diz que novo governo baixará impostos de farelo e óleo de soja

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015 13:03 BRST
 

Por Maximiliano Rizzi

BUENOS AIRES (Reuters) - O governo que tomará posse na Argentina na próxima semana reduzirá impostos para exportação de farelo e óleo de soja, entre outras medidas que darão apoio ao setor industrial do país que é o maior exportador global desses dois produtos, disse o presidente da Câmara Agroexportadora da Argentina (Ciara-CEC), Alberto Rodríguez, em entrevista à Reuters.

O presidente eleito Mauricio Macri já prometeu baixa em cinco pontos percentuais por ano no imposto de 35 por cento das exportações de soja em grãos, mas o presidente da Ciara-CEC disse que o mesmo vai acontecer com o impostos para os embarques de farelo e óleo.

"Nós conversamos. No caso da soja, a mesma proporção que se reduzirá (o imposto de exportação) para o grão, se reduzirá para o óleo e o farelo", disse Rodríguez, presidente da associação que reúne processadores e exportadores de grãos e derivados do país.

Atualmente, os embarques de farelo e óleo de soja estão sujeitos a um imposto de 32 por cento, uma decisão tomada pelo grupo político que comanda o país há 12 anos.

Uma fonte próxima do futuro ministro da Agricultura, Ricardo Buryaile, não confirmou nem negou a informação, após questionamento da Reuters.

O setor agropecuário em geral está em conflito há anos com a presidente Cristina Kirchner devido a suas políticas intervencionistas, que incluem impostos e restrições às exportações de grãos, dois pontos que Macri já prometeu modificar.

"Acreditamos que também serão adotadas outras medidas relacionadas, como o tema da admissão temporária de soja, que vai nos permitir melhorar o uso da capacidade, que hoje tem ociosidade importante", destacou Rodríguez.

A indústria esmagadora de soja da Argentina opera atualmente com capacidade ociosa de cerca de 30 por cento, disse o executivo.   Continuação...