BC da Alemanha está otimista com economia, mesmo com corte de perspectiva de inflação

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015 08:48 BRST
 

Por Caroline Copley e Francesco Canepa

BERLIM/FRANKFURT (Reuters) - A demanda doméstica forte está sustentando o crescimento econômico na Alemanha, disse o banco central do país nesta sexta-feira, mesmo depois de ter cortado as previsões de inflação deste ano e dos próximos dois devido aos preços mais baixos do petróleo.

As novas estimativas do Bundesbank mostram que a inflação na maior economia europeia não deve atingir a meta do Banco Central Europeu (BCE) de quase 2 por cento até 2017, um ano mais tarde do que nas suas projeções de junho.

Ainda assim, o banco central alemão, cujo presidente, Jens Weidmann, rotulou na quinta-feira o recente afrouxamento monetário do BCE como "desnecessário", deu um tom otimista sobre a situação da economia do país e sua perspectiva.

"Os principais condutores são a situação favorável do mercado de trabalho e substanciais aumentos da renda real disponível das famílias, ainda que o comércio internacional esteja sendo atualmente afetado pela demanda frágil das economias de mercados emergentes", disse Weidmann em um comunicado acompanhando o relatório de dezembro.

Em suas projeções, o Bundesbank disse esperar que a economia alemã cresça 1,7 por cento em 2015, 1,8 por cento em 2016 e 1,7 por cento em 2017.

Já as previsões para os preços ao consumidor na Alemanha são de alta de 0,2 por cento este ano, 1,1 por cento em 2016 e 2,0 por cento em 2017, abaixo das estimativas anteriores de 0,5 por cento, 1,8 por cento e 2,2 por cento, respectivamente, disse o banco.