Brasil Pharma pretende ir adiante com oferta de ações para levantar capital

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015 19:54 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Brasil Pharma, rede de drogarias que tem o BTG Pactual como sócio, está seguindo adiante com um plano de levantar até 600 milhões de reais com investidores, disse a empresa à Reuters nesta segunda-feira.    

Em comunicado, a BR Pharma afirmou que "suas intenções em relação à oferta estão mantidas e que continua trabalhando na conclusão de todo o processo".     O plano, que estabeleceu um piso de 400 milhões de reais para a injeção de capital, pode ser lançado formalmente ainda esta semana, quando executivos da companhia se reunirão com investidores, de acordo com uma fonte que pediu anonimato, já que o assunto não é público.

As ações da BR Pharma despencaram quase 25 por cento nesta segunda-feira, queda recorde do papel, na esteira da especulação sobre a oferta pode enfrentar ventos contrários. O BTG Pactual, que detém 37 por cento da BR Pharma, se recusou a comentar.

A BR Pharma disse em comunicado à Reuters que o BTG Pactual tem tido resultados mistos numa reestruturação da rede de drogarias, que já dura dois anos.

Em 12 de novembro, a empresa vendeu a unidade deficitária Mais Econômica por 44 milhões de reais, o que fontes próximas à companhia disseram que vai ajudar a conter prejuízos.

A BR Pharma teve prejuízo líquido de 420 milhões de reais nos primeiros nove meses do ano.

Andrea di Sarno, sócio do BTG Pactual, provavelmente estará presente nos encontros com investidores e pode responder perguntas sobre a situação atual do banco, disse a fonte.

As ações do BTG Pactual caíram 42 por cento desde 25 de novembro, quando André Esteves, ex-acionista controlador e presidente-executivo, ser preso dentro da operação Lava Jato.

A oferta de ações da BR Pharma tem esforços restritos, e que o preço mínimo por papel foi fixado em 0,40 real. O BTG Pactual participará no plano através da conversão parcial da dívida em ações, acrescentou a fonte.   Continuação...