Bovespa cai 1,72% por dados fracos da China e agravamento de crise política

terça-feira, 8 de dezembro de 2015 17:44 BRST
 

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa brasileira fechou em queda nesta terça-feira, com os preços de commodities em baixa no exterior se somando a preocupações de investidores com sinais de agravamento da crise política no Brasil.

O Ibovespa terminou o dia com desvalorização de 1,72 por cento, aos 44.443 pontos. O giro financeiro foi de 5,81 bilhões de reais.

A China divulgou que suas exportações caíram mais do que o esperado em novembro, lançando dúvidas sobre as esperanças de que a segunda maior economia do mundo vai se estabilizar no quarto trimestre. As exportações caíram 6,8 por cento contra um ano antes, enquanto as importações diminuíram 8,7 por cento.

O dado aumentou a pressão negativa sobre os preços de commodities no exterior, afetando ações relevantes para o principal índice da Bovespa.

Em uma sessão volátil, os preços do petróleo tipo Brent e em Nova York operavam em direções contrárias no fim dos negócios. Mais cedo, a commodity atingiu mínimas desde 2009.

Completando o quadro negativo, no Brasil repercutia a carta enviada pelo vice-presidente, Michel Temer (PMDB), à presidente Dilma Rousseff. Na carta, Temer apontou o que chama de "fatos reveladores da desconfiança que o governo tem em relação a ele e ao PMDB".

A carta de Temer agrava a crise política num momento delicado para Dilma, após ser aceito o pedido de abertura de processo de impeachment contra a presidente. Segundo a Vice-Presidência, a carta de Temer, que também preside o PMDB, não propôs rompimento entre partidos ou com o governo.

"O mercado está vendo a realidade de que a crise política vai continuar, o que torna ainda mais difícil o governo se organizar para uma política de ajuste fiscal para o ano que vem", disse o analista Raphael Figueredo, da Clear Corretora.   Continuação...