Inflação na China acelera em novembro, mas riscos de deflação afetam economia

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015 07:06 BRST
 

Por Sue-Lin Wong

PEQUIM (Reuters) - A inflação ao consumidor da China acelerou ligeiramente em novembro, mas permaneceu bem abaixo da meta do governo para 2015 de 3 por cento, levantando preocupações de que a segunda maior economia do mundo pode entrar em deflação.

Os dados aumentaram os pedidos de alguns economistas por mais estímulo e cortes na taxa de juros para impulsionar o crescimento e os preços, mesmo que o índice de preços ao consumidor de novembro tenha surpreendido ao subir 1,5 por cento na base anual ante 1,3 por cento em outubro. Pesquisa da Reuters apontava que a expectativa era de alta de 1,4 por cento.