10 de Dezembro de 2015 / às 11:31 / 2 anos atrás

Desafio de Macri: restaurar o poderio econômico da Argentina

Presidente eleito da Argentina, Mauricio Macri, durante evento em Buenos Aires. 22/11/2015 REUTERS/Ivan Alvarado

BUENOS AIRES (Reuters) - Mauricio Macri toma posse como presidente da Argentina nesta quinta-feira, prometendo aproveitar os recursos naturais do país e abandonar as políticas populistas para recuperar uma economia que há décadas está aquém do potencial.

Se Macri acertar, o investimento poderia retornar ao país, graças ao cinturão de grãos nos Pampas, um promissor setor de tecnologia, a força de trabalho altamente qualificada e algumas das maiores reservas de óleo de xisto no mundo.

A ex-presidente Cristina Kirchner seguia a tradição populista de Juan Domingo Perón –-e sua esposa, a icônica Evita-–, que expandiu o alcance do Estado na década de 1940.

Durante seus oito anos no poder, Cristina cercou a Argentina de políticas comerciais protecionistas destinadas a reforçar a indústria local. Ela aumentou os gastos sociais num momento em que milhões de argentinos precisavam de ajuda para sair da pobreza, após a devastadora crise econômica de 2002.

Ajudada pelos altos preços mundiais de grãos, seus primeiros anos no poder foram de forte crescimento econômico. Mas o fim do boom das commodities, combinado com gastos pesados do governo e controles da moeda, contiveram o crescimento e elevaram a inflação para bem acima de 20 por cento.

Macri, um empresário conservador e ex-prefeito de Buenos Aires, ganhou a eleição presidencial no mês passado prometendo relaxar os controles comerciais e monetários e favorecer políticas de livre mercado.

“A única maneira de combater a pobreza é criando mais postos de trabalho”, disse, enfatizando um papel mais importante para o setor privado.

A inimizade entre Cristina e Macri chegou ao ponto de a ex-presidente e seus aliados decidirem não participar da posse dele.

Os partidários de Macri dizem que as mudanças prometidas já deveriam ter sido feitas no país, mas ele terá que pisar com cuidado se cortar gastos do Estado para níveis sustentáveis sem empurrar a conturbada economia para recessão.

Macri quer estimular as exportações permitindo que o peso perca valor, e chegar a um acordo na disputa politicamente sensível com fundos de hedge dos Estados Unidos que exigem o reembolso integral da dívida não paga pela Argentina em 2002.

Um acordo abriria caminho para o financiamento externo de que o país precisa, e a equipe de Macri tem bom trânsito em Wall Street.

O ministro das Finanças de Macri, Alfonso Prat-Gay, teve um cargo de chefia no JP Morgan antes de liderar o banco central da Argentina entre 2002-2004.

O índice local de ações Merval MERV subiu 17 por cento desde que Macri se saiu melhor do que o esperado no primeiro turno da eleição presidencial e, depois, venceu o candidato de Cristina no segundo turno.

A continuidade do otimismo depende de uma ação rápida em questões como eliminar uma lacuna de 50 por cento entre as taxas de câmbio oficiais e do mercado paralelo e a redução de impostos sobre as receitas das exportações agrícolas.

Reportagem adicional de Gabriel Burin

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below