CORREÇÃO-Grande maioria dos membros do BCE não quis mais estímulos, diz autoridade

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015 13:23 BRST
 

(Corrige título e 1º parágrafo para esclarecer que declarações se referem à última decisão, e não a discussões futuras)

Por Jonathan Gould

FRANKFURT (Reuters) - A grande maioria das autoridades do Banco Central Europeu (BCE) não quis ampliar ainda mais as medidas de estímulo na semana passada, disse Yves Mersch, acrescentando que o movimento do banco de comprar novos títulos à medida que os antigos vencem pode injetar centenas de bilhões de euros.

"A grande maioria do Conselho tem a visão de que as medidas são apropriadas e que mais delas não são necessárias para alcançar nosso objetivo", disse Mersch a jornalistas na quarta-feira, referindo-se ao grupo que define a política monetária para manter a inflação subindo.

As declarações de Mersch também deram novos detalhes sobre como o BCE vai estender sua política de impressão de dinheiro, uma semana após os mercados caírem pela decepção com o fato de o presidente do BCE, Mario Draghi, de ter optado por estender, e não ampliar, seu programa de "quantitative easing".

Mersch, que é integrante do Conselho que define a política monetária do BCE, disse que a decisão de continuar comprando títulos vai corresponder a uma injeção de 320 bilhões de euros se continuar por mais dois anos a partir de 2017.

Ele também disse que o mercado total para dívidas regionais ou municipais, onde o BCE também vai começar a comprar, é avaliada em até 380 bilhões de euros.

"Essa não é uma promessa verbal. Estamos respaldando nossas palavras com ação", disse.