Leilão contrata 1.954 MW médios e ajuda governo a reduzir custos de energia

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015 17:15 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O leilão de energia existente (A-1) contratou nesta sexta-feira 1.954 megawatts médios, a um preço médio de 147,77 reais por MWh, para fornecimento a partir de 1º de janeiro de 2016, o que ajudará o governo em seu plano de reduzir os custos de geração, especialmente com a redução da operação de termelétricas mais caras.

O deságio do preço do leilão foi de 1,27 por cento em relação aos preços-teto estabelecidos, movimentando 6,9 bilhões de reais em contratos, informou a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, que operacionalizou a licitação.

"Foi bem-sucedido a meu ver (o leilão), primeiro porque os preços estão bem abaixo do CVU (Custo Variável Unitário) médio. Portanto, vamos ligar novas máquinas com novo despacho e desligar máquinas que sejam caras que estavam com CVU acima", declarou o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, em evento em São Paulo.

Ele lembrou a jornalistas que o Brasil já desligou, em agosto, térmicas com CVU acima de 600 reais por megawatt hora, e novas termelétricas poderão sair de operação, visando reduzir os custos da tarifa de energia.

"Agora vamos começar a fazer desligamentos próximos de 600 reais, substituindo. Vamos contratar perto de 2 mil MW nesses contratos hoje, portanto estamos dando passo importante", completou.

De acordo do com Braga, a meta é chegar ao fim de 2016 "com nenhuma máquina acima de 400 reais o CVU, assim como chegamos ao fim de 2015 sem máquinas acima de 600 reais".

O presidente do Conselho de Administração da CCEE, Rui Altieri, acrescentou ainda que "o resultado do leilão foi bastante positivo e garante o atendimento integral da demanda das distribuidoras".

O LEILÃO   Continuação...