Fusão entre Shell e BG recebe aprovação da China; nova empresa deve demitir milhares

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 12:41 BRST
 

LONDRES (Reuters) - A petroleira anglo-holandesa Shell planeja cortar milhares de empregos para reduzir custos caso a aquisição da petroleira britânica BG ocorra como o planejado, no início do próximo ano, na sequência de uma autorização definitiva concedida por autoridades da China.

A aquisição, que foi anunciada em 8 de abril e é a maior do setor em uma década, foi aprovada pelo Ministério do Comércio da China, declarou a Shell nesta segunda-feira, após o aval anterior da Austrália, do Brasil e da União Europeia.

As gigantes do petróleo e gás Shell e BG vão agora enviar um prospecto de incorporação aos seus acionistas e realizar reuniões gerais especiais para votações sobre o negócio. Se aprovada, a fusão vai enfrentar uma audiência judicial 10 dias mais tarde e pode ser concluída até o início de fevereiro.

Alguns acionistas, no entanto, manifestaram preocupação sobre os méritos da aquisição após a acentuada queda nos preços do petróleo. A queda nos preços das ações da Shell desde abril significa que o valor do negócio caiu para 53 bilhões de dólares, ante os anteriores 70 bilhões de dólares.

Pouco depois de anunciar o sinal verde da China, a Shell emitiu uma declaração dizendo que espera cortar cerca de 2.800 vagas globais do grupo combinado. Isso seria quase 3 por cento da força de trabalho combinada de cerca de 100 mil funcionários.

A Shell anunciou anteriormente cortes de custos e um plano de desinvestimentos, em meio aos baixos preços do petróleo no cenário global.

A BG hoje é a principal sócia da Petrobras na produção de petróleo no pré-sal e a segunda maior produtora de óleo e gás do Brasil, depois da petroleira estatal.

(Por Ron Bousso; Reportagem adicional de Adam Rose)