Dólar bate máxima da sessão sobre o real após Fitch rebaixar Brasil

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015 15:03 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar ampliou a alta e bateu a máxima da sessão em relação ao real nesta quarta-feira após a Fitch se tornar a segunda agência de classificação de risco a retirar o selo de bom pagador internacional do Brasil.

Às 13:29, o dólar avançava 1,78 por cento, a 3,9455 reais na venda. A moeda norte-americana atingiu a máxima da sessão a 3,9676 reais após o rebaixamento, mas reduziu o avanço em seguida e voltou a operar abaixo de 3,95 reais.

"Era uma certeza, a Fitch só ganhou a corrida. Agora, a Moody's está atrasada para a festa", disse o economista da 4Cast Pedro Tuesta.

A Fitch cortou a nota de crédito do Brasil para "BB+", contra "BBB-", citando a recessão mais profunda do que o esperado, o quadro fiscal e a incerteza política. A Standard & Poor's havia rebaixado o país para grau especulativo em setembro e, na semana passada, a Moody's ameaçou fazer o mesmo em breve.

Muitos fundos são obrigados a vender seus ativos brasileiros quando pelo menos duas importantes agências retiram o grau de investimento do país. No entanto, operadores ressaltaram que a decisão já era esperada e parte relevante desse ajuste já foi feito no mercado.

O dólar já havia operado em alta firme desde o início da sessão, após o governo abrir a possibilidade de zerar sua meta fiscal para o ano que vem apesar dos pedidos do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e antes da sessão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o rito de tramitação do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

"A redução da meta fiscal enfraquece cada vez mais o Levy. A permanência dele no governo parece estar com as horas contadas", disse o operador da corretora SLW João Paulo de Gracia Correa. Ele acrescentou que o mercado deve operar volátil também antes da esperada alta dos juros norte-americanos após o fechamento dos negócios, a primeira em quase uma década.

Na noite passada, foi divulgado que a meta de superávit primário do setor público consolidado seria reduzida para cerca de 0,5 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), com a possibilidade de que o objetivo seja zerado com abatimentos.

Levy já havia se manifestado abertamente muitas vezes contra a mudança da meta de superávit e até ameaçou, nos bastidores, deixar o cargo caso fosse alterada. O ministro vem encabeçando a campanha pela austeridade fiscal e investidores entendem sua eventual saída do governo como um sinal de mais atrasos no reequilíbrio das contas públicas.   Continuação...

 
Notas de dólar e real em casa de câmbio do Rio de Janeiro. 10/09/2015 REUTERS/Ricardo Moraes