ENTREVISTA-Saída de Levy seria "uma lástima" para o país, diz presidente do Santander Brasil

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015 13:17 BRST
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Brasil precisa criar um ambiente de estabilidade política e econômica para voltar a crescer e uma possível saída de Joaquim Levy do Ministério da Fazenda seria uma lástima para o país, afirmou o presidente do Santander Brasil, Jesús Zabalza.

Para ele, o Brasil precisa encontrar uma rota de estabilidade para pensar em voltar a crescer a partir de 2017 e mudanças no comando da Fazenda ampliam as incertezas no país.

Zabalza disse em entrevista à Reuters, que o ponto de partida da retomada da economia passa obrigatoriamente pelo esforço e pelo ajuste fiscais, bandeira que vem sendo defendida por Levy.

"A saída dele seria uma lástima; ele é um ministro com uma impressionante preparação técnica, com boas idéias e com um bom diagnóstico da economia do país e das medidas a serem tomadas", disse Zabalza à Reuters durante um intervalo de evento com empresários no Rio de Janeiro na noite de quinta-feira.

"O Brasil precisa de sustentabilidade da confiança institucional para a economia voltar a crescer... precisamos de estabilidade política e econômica", acrescentou.

Zabalza vai trocar de cargos com o atual presidente do conselho do Santander Brasil, Sergio Rial, a partir de 1º de janeiro, em decisão tomada pelo grupo financeiro em setembro.

As especulações sobre a saída de Levy se intensificaram nesta semana depois que o ministro foi derrotado na disputa sobre a meta de superávit primário de 2016. Ele defendia a meta de 0,7 por cento do PIB, mas o governo reduziu o objetivo para 0,5 por cento.

Além disso, em entrevista publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo nesta sexta-feira, Levy fez críticas ao governo e deu sinais de estar deixando o cargo, embora tenha evitado fazer a afirmação com todas as letras.   Continuação...