China vai tornar política monetária mais flexível em 2016 para sustentar reformas, diz Xinhua

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015 10:26 BRST
 

Por Kevin Yao e Xiaoyi Shao

PEQUIM (Reuters) - A China vai tornar sua política monetária mais flexível no próximo ano para criar condições para as reformas estruturais, ao mesmo tempo em que expande seu déficit orçamentário, disse a agência de notícias Xinhua nesta segunda-feira, citando decisões tomadas em uma reunião de alto nível.

A conferência anual de política econômica é atentamente acompanhada por investidores, que buscam pistas sobre as prioridades de política e principais metas econômicas para o ano à frente.

"A política monetária prudente precisa ser mais flexível para criar condições monetárias apropriadas para reformas estruturais", disse a Xinhua citando um comunicado após a conferência.

A política fiscal proativa da China precisa ser mais vigorosa, disse a Xinhua, acrescentando que a reunião de alto nível pediu pela expansão gradual da taxa de déficit fiscal.

A reportagem da Xinhua foi publicada após uma fonte com conhecimento direto da reunião, que começou na sexta-feira, dizer que a China vai manter as políticas econômicas expansionistas em 2016 para ajudar a sustentar a economia em desaceleração.

O governo vai adotar medidas para expandir a demanda agregada enquanto avança com "reformas do lado da oferta" no próximo ano, disse a fonte, que informou um pequeno grupo de repórteres sobre a reunião.

"Precisamos que a economia cresça a um certo rito para que a reforma estrutural seja realizada", disse a fonte, que pediu anonimato.

O banco central da China mantém uma política monetária prudente desde 2011, elevando ou cortando a taxa de juros em linha com as mudanças na economia. A política fiscal proativa foi adotada desde a crise global.

(Reportagem de Xiaoyi Shao, Judy Hua, Sue-Lin Wong e Kevin Yao)