Dólar salta 2% e volta a R$4 com ida de Barbosa à Fazenda

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015 13:42 BRST
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar ampliou a alta para mais de 2 por cento e foi acima de 4 reais pela primeira vez em mais de dois meses e meio nesta segunda-feira, com investidores decepcionados com a nomeação de Nelson Barbosa como ministro da Fazenda e com a ausência de sinalizações mais contundentes de rigor fiscal em seu discurso.

Às 13:39, o dólar avançava 2,16 por cento, a 4,0320 reais na venda. A moeda norte-americana atingiu 4,0428 reais na máxima desta sessão, maior nível intradia desde 2 de outubro (4,0461 reais).

O dólar futuro, que já havia reagido à nomeação de Barbosa após o fechamento do mercado à vista na sexta-feira, avançava cerca de 1 por cento.

Em teleconferência com investidores feita antes mesmo de sua posse, Barbosa repetiu que a direção da política econômica continua a mesma após assumir o comando da Fazenda no lugar de Joaquim Levy, com foco no ajuste fiscal e redução da inflação. Ainda assim, operadores afirmaram que o mercado quer ver ações concretas de austeridade para se convencer de que o comprometimento do governo com o ajuste não se esvaiu.

"O problema não foi o que ele disse, mas o que ele não disse", afirmou o estrategista de renda fixa da corretora Coinvalores, Paulo Celso Nepomuceno, para quem faltou sinalizações mais incisivas de austeridade fiscal nas declarações de Barbosa.

"O discurso foi basicamente o mesmo de antes (da nomeação de Barbosa), mas o mercado está convencido de que as coisas vão mudar para pior".

A escolha de Barbosa, anunciada na sexta-feira, já havia sido entendida como clara sinalização de que a presidente Dilma Rousseff pretende promover mudanças na política econômica. Barbosa tem pensamento mais alinhado ao de Dilma, com maior foco na retomada do crescimento em meio ao agravamento da recessão e da crise política.

"Mais flexível na condução das políticas de ajuste fiscal necessárias ao equilíbrio das contas públicas, o ministro Barbosa, neste momento, representa um retrocesso", escreveu o operador da corretora Correparti Ricardo Gomes da Silva em nota a clientes. "As apostas majoritárias recaem sobre o aprofundamento da crise", acrescentou.   Continuação...