Bovespa cai 1,6% e renova mínima desde 2009, com ceticismo em relação a Barbosa

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015 19:00 BRST
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista fechou em queda pelo segundo pregão seguido nesta segunda-feira, com o Ibovespa renovando mínima desde 2009, com investidores céticos em relação ao discurso do novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, de que o foco da política econômica será o ajuste fiscal e a redução da inflação.

O índice de referência do mercado acionário brasileiro caiu 1,62 por cento, a 43.199 pontos, menor nível desde 1º de abril de 2009. Este foi o primeiro pregão com horário ampliado em uma hora, que vai se estender até o dia 11 de março.

O volume financeiro da sessão somou 8,2 bilhões de reais, inflado pelo exercício dos contratos de opções que expiraram nesta segunda-feira.

O Ibovespa chegou a subir 0,7 por cento pela manhã, amparado no quadro externo favorável, mas reverteu o rumo e firmou-se no vermelho após declarações de Barbosa em teleconferência com investidores e findo o exercício dos contratos de opções sobre ações na primeira etapa do dia.

"Barbosa terá um enorme desafio em convencer o mercado financeiro de que não tem a intenção de retomar o que ficou conhecido como 'nova matriz econômica'", destacou a administradora de recursos Icatu Vanguarda, em relatório a clientes.

De acordo com o chefe da área de renda variável de uma corretora em São Paulo, que pediu para não ter o nome citado, "dado o histórico de Barbosa, ele não tem o benefício da dúvida", e por isso a reação do mercado.

Durante a teleconferência, antes da posse no final da tarde, o novo ministro, que substitui Joaquim Levy, repetiu o compromisso com a meta de superávit primário equivalente a 0,5 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016 e defendeu a reforma da Previdência, considerada "crítica".

No exterior, a alta das ações da Apple e de papéis do setor hospitalar, após dados mostrando que mais norte-americanos aderiram ao programa de seguro saúde subsidiado, conhecido como Obamacare, sustentavam Wall Street no azul.   Continuação...