Barbosa anuncia nova equipe na Fazenda e repete compromisso com ajuste fiscal

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015 21:24 BRST
 

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, reafirmou seu compromisso com o ajuste fiscal durante cerimônia de posse do cargo, após a qual anunciou sua equipe, com permanência de Jorge Rachid à frente da Secretaria da Receita Federal e Otávio Ladeira assumindo interinamente a Secretaria do Tesouro Nacional no lugar de Marcelo Saintive.

No time dos que já acompanhavam Barbosa no ministério do Planejamento, irão para a nova pasta Dyogo Henrique de Oliveira, como secretário-executivo da Fazenda, e Manoel Pires, como novo secretário de Política Econômica. No Planejamento, eles ocupavam os cargos de secretário-executivo e secretário de assuntos econômicos, respectivamente.

Além disso, Luis Antonio Balduino permanecerá no comando da Secretaria de Assuntos Internacionais, enquanto Paulo Guilherme Corrêa continuará chefiando a Secretaria de Acompanhamento Econômico. Fabrício Da Soller, por sua vez, será o novo procurador-geral da Fazenda Nacional.

Em discurso de posse, Barbosa repetiu pontos que vem destacando desde sexta-feira, quando foi nomeado ao cargo, assinalando ser preciso "aperfeiçoar nossa política econômica para recuperar a estabilidade fiscal e o controle da inflação".

Mais uma vez, o novo titular da Fazenda apontou que o maior desafio do governo é fiscal.

"Nosso maior desafio é construir as condições para estabilizar e depois reduzir o nosso grau de endividamento público, tanto em termos de dívida líquida quanto em termos de dívida bruta. Temos todas as condições de superar esse desafio."

Barbosa também reforçou que a reforma da Previdência é prioridade e que o governo planeja entregar uma proposta de mudança ao Congresso Nacional no primeiro semestre do próximo ano.

O ministro afirmou que irá trabalhar ao longo de 2016 para construir uma proposta de consenso a respeito da criação de um limite para o crescimento das despesas públicas. Também fez um apelo para aprovação pelo Legislativo da volta da CPMF e da proposta que prorroga a vigência da Desvinculação de Receitas da União (DRU).

Segundo Barbosa, o momento não permite a redução da receita tributária, mas é preciso "com certeza" melhorar o perfil e a eficiência da arrecadação.   Continuação...

 
Presidente Dilma Rousseff cumprimenta Joaquim Levy (à direita) na cerimônia de posse do novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, no Palácio do Planalto, em Brasília, nesta segunda-feira. 21/12/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino