December 22, 2015 / 2:37 PM / 2 years ago

Mercado de crédito deve crescer 7% em 2016, mesmo ritmo de 2015, diz BC

3 Min, DE LEITURA

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central estimou nesta terça-feira que o estoque de crédito total do país irá avançar 7 por cento em 2016, mesmo ritmo deste ano, em meio ao cenário de recessão, baixa confiança e inflação elevada.

Para 2015, o BC também previu expansão de 7 por cento do saldo de financiamentos, patamar revisado para baixo ante expectativa anterior de 9 por cento.

O movimento de moderação reflete o ambiente econômico recessivo, com consumidores e empresas menos propensos a tomar crédito diante de menos recursos disponíveis e juros elevados.

As instituições financeiras também têm mostrado cautela na liberação de crédito, de olho no aumento da inadimplência.

O BC previu que o estoque de crédito de bancos públicos subirá 9 por cento em 2016, 3 por cento para os privados nacionais e de 7 por cento para os privados estrangeiros.

Por modalidade, o estoque de crédito direcionado crescerá 9 por cento em 2016, contra 10 por cento calculados para 2015. Já para o crédito livre, o crescimento esperado é de 5 por cento, ante 4 por cento em 2015.

Novembro

Em novembro, a inadimplência no mercado de crédito no país no segmento de recursos livres subiu a 5,2 por cento, contra 5 por cento em outubro, no nível mais alto desde o início de 2013.

No segmento, cujas taxas de juros são definidas livremente pelas instituições financeiras, o spread bancário --diferença entre o custo de captação e a taxa cobrada do tomador final-- subiu 0,3 ponto percentual, para 33,3 pontos percentuais.

Ao mesmo tempo, o juro médio do segmento alcançou 48,1 por cento, ante 47,9 por cento em outubro.

O avanço aconteceu ao mesmo tempo em que o BC endureceu o discurso para deixar claro que pode voltar a subir os juros básicos em breve, após ter mantido a Selic em 14,25 por cento ao ano desde julho, para combater a inflação ainda elevada.

Na semana passada, o presidente do BC, Alexandre Tombini, disse que o país já está num ciclo de aperto monetário.

O mercado futuro de juros e economistas consultados toda semana por meio da pesquisa Focus do BC sinalizam que a Selic será elevada em janeiro, em 0,5 ponto percentual, quando o Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne novamente.

O BC informou ainda que o estoque total de crédito no país, que engloba o segmento de recursos direcionados, cresceu 0,6 por cento em novembro sobre outubro, a 3,177 trilhões de reais.

Reportagem de Alonso Soto

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below