Fed elevou os juros mesmo com contínuo debate sobre inflação

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016 19:31 BRST
 

Por Jason Lange e Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - Integrantes do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, decidiram aumentar os juros no mês passado após quase todos ficarem confiantes de que a inflação deve acelerar, mas alguns expressaram preocupação com a possibilidade de o ritmo de alta dos preços ficar travado em níveis perigosamente baixos.

"Quase todos os participantes estavam razoavelmente confiantes de que a inflação vai voltar a 2 por cento no médio prazo", trouxe a ata da reunião de 15 e 16 de dezembro do Fed, publicada nesta quarta-feira.

Mas, "alguns membros disseram que a decisão de aumentar a taxa foi difícil, particularmente considerando a incerteza sobre as dinâmicas da inflação".

A ata lançou luz sobre as fissuras que permanecem no banco central norte-americano apesar da decisão unânime das autoridades no mês passado de elevar os juros, então quase zerados, em 0,25 ponto percentual, o primeiro aumento em uma década.

O debate sobre a perspectiva para a inflação será central para decisões sobre quão rapidamente elevar os juros ao longo deste ano.

A decisão de aumentar os juros em dezembro e, ao mesmo tempo, prometer um ritmo gradual de elevações futuras foi um meio-termo entre aqueles que estavam prontos para elevar os juros há meses e aqueles que acreditam que a economia ainda é ameaçada pela inflação fraca e pelo baixo crescimento global.

Integrantes do Fed, de maneira geral, esperam quatro aumentos de 0,25 ponto percentual em 2016, mas a ata deixou claro que algumas autoridades evitarão novas altas se o aumento da inflação não se materializar.

"Os membros expressaram a intenção de monitorar com cuidado o progresso atual e esperado em direção à meta de inflação do comitê", disse o Fed no documento.

A ata também detalhou as virtudes que o comitê vê em aumentar os juros em ritmo gradual.

Os integrantes disseram que um ritmo gradual de alta de juros manteria os estímulos em vigor por mais tempo e, ao mesmo tempo, deve dar mais tempo para confirmar que a inflação está em vias de atingir a meta de 2 por cento do Fed, de acordo com a ata. A inflação tem estado abaixo do objetivo do Fed na maior parte dos últimos três anos.

 
Sede do Federal Reserve em Washington D.C., EUA. 16 de setembro de 2016. REUTERS/Kevin Lamarque