Fundos administrados pela Gávea têm retornos sólidos com aposta na queda do real

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016 08:05 BRST
 

Por Guillermo Parra-Bernal e Lawrence Delevingne

SÃO PAULO/NOVA YORK (Reuters) - Dois fundos de hedge administrados pela empresa de investimentos brasileira Gávea Investimentos obtiveram retornos de dois dígitos no ano passado, com as apostas na queda das moedas do Brasil e da Ásia ajudando a compensar perdas com investimentos na América Latina.

No ano passado, o Gávea Fund e o Gávea Fund Plus, de maior risco, tiveram retorno estimado de 11,52 e 18,79 por cento, respectivamente, revertendo as perdas de 2014, de acordo com carta enviada a investidores na quarta-feira. O Gávea Fund tinha 530 milhões de dólares em ativos sob gestão ao fim de dezembro.

A Gávea, fundada pelo ex-presidente do Banco Central Arminio Fraga em 2003, manteve a exposição ao risco inalterada em dezembro. O valor diário em risco, indicador bastante acompanhado que mede o valor máximo que um investidor pode perder em um pregão, encerrou o mês passado a 0,6 por cento do capital para o Gávea Fund e 0,9 por cento para o Gávea Fund Plus.

Sua performance reflete a aposta bem-sucedida de Fraga na derrocada do real. No mês passado, a moeda brasileira atingiu uma mínima em quase 13 anos.

"A cautela é vista no setor financeiro, que explica o aumento do prêmio de risco, a taxa de câmbio e as taxas dos contratos de juros futuros no mercado" no Brasil, afirma a carta.

Representantes da Gávea não puderam ser alcançados para comentar.