Embraer decide desfazer joint-venture para aeronaves não tripuladas

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016 10:05 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A fabricante de aeronaves Embraer decidiu encerrar as atividades da joint-venture Harpia Sistemas, formada com a AEL Sistemas e a Avibras Divisão Aérea e Naval, para explorar o mercado de veículos aéreos não tripulados.

A Embraer afirmou que a decisão ocorreu "tendo em vista o atual cenário de restrição orçamentária" do Brasil e que a parceria foi dissolvida amigavelmente.

A Harpia atuava em linha com a Estratégia Nacional de Defesa (END), tendo sido reconhecida pelo Ministério da Defesa como empresa estratégica, e tinha projeto para desenvolver um Sistema de Aeronave Remotamente Pilotada (SARP) nacional. A companhia tinha sido criada em 2011.

"Devido ao fator estratégico do projeto para concepção de um SARP nacional, as empresas continuarão a desenvolver as tecnologias para atendimento futuro das demandas das Forças Armadas brasileiras e do mercado civil em um novo formato, podendo inclusive atuar em conjunto no futuro", disse a Embraer em comunicado.

A Embraer detinha 51 por cento da joint venture, a AEL Sistemas 40 por cento e a Avibras os 9 por cento restantes. A Embraer detém também 25 por cento do capital da AEL Sistemas, subsidiária da empresa israelense Elbit Systems.

Procurada pela Reuters, a Embraer não informou quanto já tinha investido na empresa.

Os ramos de negócio da Harpia incluíam, além de aeronaves remotamente pilotadas, simuladores de voo, modernização de aviônicos e soluções de integração de sensores optrônicos, para atividades de monitoramento e vigilância.

Com a entrada da Avibras no capital da empresa, em 2013, a Harpia passou a contar com o projeto Falcão, drone desenvolvido pela Avibras para uso das Forças Armadas.

(Por Priscila Jordão)