China suspende mecanismo de "circuit breaker" após queda do mercado acionário

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016 14:33 BRST
 

CINGAPURA/XANGAI (Reuters) - A China vai suspender seu novo mecanismo de "circuit breaker" a partir de sexta-feira, informaram as bolsas de Xangai e Shenzhen em suas páginas na Internet nesta quinta-feira, depois que o mecanismo ter provocado grandes quedas nos voláteis mercados do país.

O mecanismo foi colocado em prática no início deste ano e tinha a intenção de moderar o mercado, mas em vez disso provocou uma onda de vendas. Analistas e investidores disseram que os níveis determinados para o acionamento do "circuito breaker" são muito baixos e muito próximos para funcionarem de forma efetiva.

Nesta quinta-feira, os negócios no mercado acionário da China foram suspensos pelo resto do dia, menos de meia hora depois de abrir, com o mecanismo sendo utilizado pela segunda vez nesta semana.

"O mecanismo de 'circuit breaker' não foi a principal razão para a queda do mercado. Ele apenas não funcionou como esperado com base na situação atual" disse o porta-voz da Comissão Regulatória de Mercados da China, Deng Ge, em comunicado.

"O efeito negativo do mecanismo superou seu efeito positivo."

Assim o regulador decidiu suspender o mecanismo para ajudar a estabilizar o mercado e avaliará maneiras para melhorar o sistema, completou Deng.

O "circuito breaker" chinês suspendeu as negociações por 15 minutos quando o mercado caiu 5 por cento, e as paralisaram pelo resto do dia após a queda de 7 por cento.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, caiu 7 por cento na segunda e na quinta-feiras.

Outros mercados, incluindo Estados Unidos, Coreia e Japão, também adotam "circuit breakers", que funcionam melhor já que seus patamares são tipicamente mais altos.

No Brasil, o "circuit breaker" é acionado quando o Ibovespa registra queda de 10 por cento ante o fechamento anterior, levando a interrupção das negociações por 30 minutos. Caso na volta dos negócios o índice recue 15 por cento, os negócios são suspensos por uma hora; e se na nova reabertura a queda for 20 por cento, cabe a bolsa decidir a seu critério por quanto tempo o mercado ficará paralisado.

(Reportagem de Lee Chyen Yee e Samuel Shen)