Petrobras prevê compensar perda por corte de preço com ganho de mercado

sexta-feira, 14 de outubro de 2016 16:55 BRT
 

Por Marta Nogueira e Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - As perdas da Petrobras com a redução dos preços da gasolina e do diesel, anunciados nesta sexta-feira, serão compensadas por ganhos com uma potencial recuperação do mercado de combustíveis brasileiro, afirmou o diretor Financeiro, Ivan Monteiro, a jornalistas.

A companhia anunciou a redução do valor do diesel em 2,7 por cento e da gasolina em 3,2 por cento nas refinarias (média Brasil), a partir da zero hora de sábado (15), em uma decisão que levou em conta a defesa de sua fatia de mercado e a sazonalidade dos preços globais.

Em nota a clientes, analistas do Bradesco BBI afirmaram que a redução dos preços terá um impacto de 5 por cento na geração de caixa (Ebitda) de 2017, ou 1,3 bilhão de dólares.

Monteiro não abriu dados sobre os impactos financeiros decorrentes do reajuste, mas explicou que estrategicamente a medida será favorável e não impactará as metas de desalavancagem traçadas pela empresa recentemente.

"Vocês pegam um dado só, que é o de receita, mas não tem um dado só. Tem dado de receita, de participação de mercado, de como se otimiza todo o parque de refino da companhia, tem questão sazonal de estoques", afirmou, explicando que os ganhos financeiros da empresa após a medida são informações estratégicas e, por isso, não seriam revelados.

Mas a redução da receita foi considerada negativa por analistas que acompanham o papel da Petrobras, embora o aguardado anúncio sobre a nova política de preços da estatal tenha impulsionado as ações da companhia no mercado.

"No todo, nós louvamos a iniciativa da companhia em implementar mais transparência na política alinhada aos preços internacionais, entretanto, nós preferíamos ver a empresa operar com prêmio por um período mais longo, para recuperar perdas passadas", afirmou o analista da corretora Brasil Plural, Caio Carvalhal, em nota a clientes.

Monteiro defendeu que não adianta a empresa priorizar a manutenção de preços altos e descuidar de outras questões relacionadas ao desempenho operacional.   Continuação...

 
Ivan Monteiro, durante apresentação de resultados da Petrobras de 2014, no  Rio de Janeiro
22/4/2015 REUTERS/Ricardo Moraes