Pedidos de exportação caem e indústria do Brasil contrai de novo, mostra PMI

terça-feira, 1 de novembro de 2016 10:02 BRST
 

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - A queda mais forte nos pedidos de exportação desde o início de 2009 manteve a indústria brasileira em contração em outubro, com redução nos níveis de produção e emprego, de acordo com a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) divulgada nesta terça-feira.

O PMI do IHS Markit apresentou no mês passado ligeiro avanço para 46,3 sobre 46,0 em setembro, no 21º mês abaixo da marca de 50 que separa crescimento de contração e indicando deterioração acentuada na saúde do setor.

"Embora seja difícil ver o que poderia quebrar essa tendência de queda nos próximos meses, o Banco Central pode ter fornecido um toque de luz", destacou a economia do Markit Pollyanna de Lima.

"Ao reduzir a taxa de juros pela primeira em quatro anos buscando sustentar a recuperação e em linha com pressões inflacionárias mais fracas, o movimento pode aumentar os investimentos no setor", completou ela, referindo-se ao corte da Selic em 0,25 ponto percentual no mês passado, para 14 por cento.

As três categorias monitoradas registraram piora, mostrou o PMI, com destaque para bens de capital, com a contração nos volumes de produção, de novos pedidos e de emprego acima daqueles vistos em bens de consumo e bens intermediários.

Em outubro, o volume de novos pedidos para exportação apresentou o recuo mais forte desde maio de 2009 em meio à competição acirrada nos mercados globais, segundo o levantamento. O PMI mostrou que 27 por cento das empresas relataram níveis mais baixos de novo negócios vindos do mercado internacional.

O volume de novos pedidos como um todo caiu no ritmo mais fraco em três meses, em meio a condições econômicas difíceis, pressão competitiva e demanda fraca.

Esse cenário levou a indústria brasileira a reduzir ainda mais a produção de forma generalizada, com a taxa de redução chegando ao nível mais forte desde junho.   Continuação...