Bolsas da Europa recuam para mínima em mais de 3 meses por nervosismo com eleição dos EUA

quarta-feira, 2 de novembro de 2016 15:59 BRST
 

(Reuters) - As bolsas na Europa fecharam em queda pela oitava sessão seguida nesta quarta-feira, pressionadas por sinais de uma disputa acirrada pela Presidência dos Estados Unidos na próxima semana e queda da A.P. Moller-Maersk após balanço aquém do esperado.

O índice FTSEurofirst 300 das principais ações europeias recuou 1,22 por cento, para 1.308 pontos. O índice STOXX 600 caiu 1,1 por cento, para 331 pontos, menor nível desde 11 de julho.

As operações também foram afetadas no final do pregão por uma forte queda nos preços do petróleo após dados mostrando uma alta nos estoques da commodity.

A sequência de oito quedas é a maior este ano.

"Agora que está um pouco menos certo que (a candidata democrata Hillary Clinton) vai ganhar, estamos vendo o impacto de os investidores finalmente tomarem uma ação evasiva -- provavelmente ação evasiva que eles deveriam ter tomado um mês atrás", disse o analista de mercado da City Index Ken Odeluga.

O índice de volatilidade europeu VSTOXX refletiu o nervosismo, alcançando o maior patamar desde julho.

As ações de bancos figuraram entre as maiores quedas por setor, com recuo de 2,4 por cento e ampliando as perdas da sessão anterior, com bancos italianos e o britânico Standard Chartered entre as maiores baixas.

Os papéis da empresa de contêineres de transporte marítimo A.P. Moller-Maersk caíram 7,2 por cento após seus resultados ficarem abaixo das previsões, registrando uma queda de 44 por cento no lucro do terceiro trimestre.