Eletropaulo vê custo maior para melhorar serviço, ainda sem prazo para cumprir metas

sexta-feira, 4 de novembro de 2016 12:32 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A distribuidora de energia AES Eletropaulo tem enfrentado maiores custos como parte de seus esforços para melhorar indicadores de qualidade de serviço, em uma situação que deverá perdurar até a companhia atingir as metas regulatórias, afirmaram executivos da empresa em teleconferência nesta sexta-feira.

A Eletropaulo prevê investir 794 milhões de reais neste ano principalmente para modernização da rede e melhorias, enquanto no período 2017-2020 os aportes deverão somar mais 2,77 bilhões de reais.

Mas a empresa foi bastante questionada por analistas sobre o resultado desse programa de ações, após registrar aumento de 22 por cento na frequência de blecautes em relação ao terceiro trimestre de 2015 e redução de apenas 6 por cento no indicador que mede a duração das interrupções do serviço.

Embora tenham ressaltado o compromisso de atingir as metas definidas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para esses indicadores, executivos da Eletropaulo e da AES preferiram não apontar em que horizonte a empresa poderá alcançar o objetivo.

"Continuamos com nosso plano de investimentos e melhorias em curso... ele envolve ações com uma duração mais longa, mas que certamente produzirão resultados significativos ao longo do tempo... nosso objetivo para o futuro próximo é atingir nossa meta regulatória", afirmou o presidente da AES Brasil, Julian Nebreda, sem falar em prazos.

O presidente da Eletropaulo, Charles Lenzi, admitiu que o foco na melhoria dos indicadores implicou em maiores custos, uma vez que uma das apostas da companhia para alcançar a meta envolve expansão de equipes de atendimento.

"Todo esforço que está se fazendo, como consequência teve aumento de custos, isso será ao longo do tempo compensado com melhoria da produtividade", disse.

Os custos gerenciáveis da Eletropaulo com pessoal, material e serviços subiram 33,1 por cento na comparação anual, para 416 milhões de reais no terceiro trimestre. A companhia disse que, desses custos, 40,6 milhões de reais foram com ações voltadas à recuperação dos indicadores de qualidade.

A Eletropaulo cumpria as metas regulatórias para indicadores de qualidade até o início deste ano, quando a companhia afirmou que havia "inconsistências" no cálculo desses números e reviu os dados, elevando em mais de 70 por cento os indicadores referentes à duração de blecautes e em mais de 20 por cento os que registram a frequência das falhas.   Continuação...