Com falta de carvão, siderúrgicas da China cortam produção e antecipam reparos

segunda-feira, 7 de novembro de 2016 10:19 BRST
 

XANGAI (Reuters) - Surpreendidas pela disparada dos custos com matérias-primas, algumas siderúrgicas chinesas têm cortado produção e até começado trabalhos de manutenção mais cedo que o habitual, em meio a fechamentos de minas ordenados pelo governo que prejudicam a oferta de ingredientes essenciais, como coque e carvão de coque.

Os preços de coque e carvão de coque, que tipicamente representam 20 por cento dos custos da produção de aço, subiram mais de duas vezes esse ano, após iniciativas do governo chinês para reduzir o excesso de capacidade e a poluição, o que tem reduzido os lucros das usinas.

Como resultado, altos fornos do maior país produtor e consumidor de aço estão operando na menor capacidade em quatro meses, mostraram dados da consultoria Custeel.com, em contraste com o início do ano em que uma demanda robusta e preços elevados levaram as siderúrgicas a operar quase com capacidade total.

Os fornos de siderúrgicas em toda a China estão operando com capacidade de 86 por cento, menor índice desde junho, segundo os dados.

Embora a fraqueza sazonal durante meses mais frios do ano na demanda por vergalhões de aço, importante insumo da construção civil, possa ser importante razão para os cortes de produção, analistas disseram que a baixa oferta de matéria-prima é um fator crucial.

"A forte falta de carvão de coque e coque elevou bastante os custos de produção de aço, levando algumas empresas a cortar produção", disse o analista Jin Tao, da Guotai Jun'an Futures, em Xangai.

Segundo a Custeel.com, o grupo Jiangsu Shagang, maior produtor privado de aço da China, paralisou a linha de produção de vergalhões, enquanto a Zenith Steel, sediada na mesma província de Jiangsu, deverá começar uma reforma este mês, que durará 10 dias.

As paradas para manutenção geralmente ocorrem em dezembro. As duas empresas não comentaram.

(Por Ruby Lian e Josephine Mason)