9 de Novembro de 2016 / às 17:12 / 9 meses atrás

Eleição de Trump pode trazer dificuldades comerciais para o Brasil, admitem fontes do governo

Presidente eleito dos EUA, Donald Trump, em evento eleitoral em Nova York, Estados Unidos 09/11/2016Mike Segar

(Reuters) - Se oficialmente o governo brasileiro tenta minimizar o impacto da eleição de Donald Trump para o país, nos bastidores fontes governistas e diplomáticas não escondem a preocupação com as dificuldades que o Brasil deve enfrentar, especialmente no campo comercial.

Avesso a acordos comerciais, que vê como uma exportação de empregos norte-americanos, Trump possivelmente não terá interesse em levar adiante as conversas de aproximação comercial iniciadas pelo governo brasileiro.

"Possivelmente vai enterrar o sonho da aproximação comercial. Esse é um tema que vai sim ficar complicado", disse à Reuters uma alta fonte diplomática.

A relação com os Estados Unidos foi colocada como uma das prioridades do governo de Michel Temer, assim que assumiu, ainda como interino, com o afastamento da ex-presidente Dilma Rousseff.

Apesar das dificuldades de um acordo comercial clássico, o Itamaraty trabalha para eliminar barreiras, especialmente não tarifárias, com o seu segundo maior parceiro comercial.

No governo brasileiro havia a certeza de que Hillary Clinton seria eleita --além de uma preferência pela democrata, já que a avaliação no Palácio do Planalto era de que Trump era excessivamente "imprevisível" e podia prejudicar os interesses comerciais do país.

A avaliação de que o republicano não tinha chances levou o ministro das Relações Exteriores, José Serra, a criticar abertamente Donald Trump e desconsiderar sua possível eleição.

Em junho deste ano, o chanceler havia dito, em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, que Trump não podia ser eleito. Um mês depois, falando ao jornal Correio Braziliense, considerou a escolha do republicano como um "pesadelo".

"Eu considero a hipótese do Trump um pesadelo. Pesadelos, às vezes, se materializam? Se materializam, mas eu prefiro não pensar nisso, fazer o jogo do contente", disse, acrescentando que torcer por Hillary, tratava-se de "ser sensato, torcer para o bem do mundo".

Uma fonte diplomática considerou as declarações de Serra colocaram o governo brasileiro numa "situação delicada".

"Não vai ser fácil a retomada dessa relação. Precisamos mostrar que o Brasil é diferente (do resto da América Latina), que somos abertos e trabalhamos com todos", disse à Reuters uma fonte diplomática.

O diplomata lembra que a posição brasileira sempre foi de não comentar candidatos ou eleições em outros países e nunca escolheu parceiros, e agora terá que trabalhar para tentar minimizar o estrago.

"Temos de ter muito cuidado para não bater de frente com um presidente que representa a maioria da sociedade americana", disse.

No Palácio do Planalto, a ordem é seguir em frente e "trabalhar com o que temos". Imediatamente após saber o resultado da eleição norte-americana, o presidente Michel Temer iniciou o trabalho de mostrar que o Brasil não tem oficialmente preferências.

Temer deu entrevistas a duas rádios, enviou um telegrama a Trump e pôs seu porta-voz, Alexandre Parola, para dar declarações, em um primeiro trabalho de pavimentar uma relação ao menos institucional com o novo governo dos Estados Unidos.

Nem o Itamaraty nem José Serra haviam se manifestado oficialmente até o meio desta tarde. De acordo com assessores do ministro, ele deve fazê-lo ainda nesta quarta-feira.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below