Transmissão vira gargalo em energia e abre oportunidades para investidor, diz Taesa

quarta-feira, 9 de novembro de 2016 15:36 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Após anos de licitações de novos projetos que atraíram pouco interesse do mercado e com uma série de obras com enormes atrasos, a transmissão de energia virou um gargalo para o setor elétrico do Brasil, mas ao mesmo tempo abriu oportunidades para as empresas que investem no segmento, disse nesta quarta-feira o presidente da elétrica Taesa.

A companhia, controlada pela mineira Cemig e pelo fundo Coliseu, arrematou quatro lotes em um leilão de concessões de novas linhas de transmissão realizado no final de outubro pelo governo, o primeiro desde 2012 a registrar forte interesse dos investidores e disputa pelos empreendimentos ofertados.

O melhor resultado veio após o governo elevar as receitas e a taxa de retorno das concessões justamente para evitar novos leilões desertos, que ao longo dos últimos anos atrasaram a implementação de diversas linhas.

O esforço por melhores resultados nas licitações veio ainda em um momento em que 62 por cento das obras de transmissão em andamento no Brasil estão atrasadas, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Em meio às dificuldades para viabilizar esses empreendimentos nos últimos anos, o governo prevê realizar duas ou três novas licitações de projetos do setor em 2017, sendo que somente o primeiro deverá envolver linhas que demandarão cerca de 12 bilhões de reais.

"Estamos vendo o setor hoje com muitas oportunidades e tenho certeza de que vamos aproveitá-las. Transmissão é hoje o gargalo do setor elétrico, e estamos nos preparando para aproveitar toda nossa capacidade de investimento", disse o presidente da Taesa, João Procópio, em teleconferência com acionistas nesta quarta-feira.

Ele afirmou que a companhia está se preparando para os próximos leilões e irá também avaliar eventuais oportunidades de fusões ou aquisições.

"É uma forma muito adequada para a Taesa no crescimento. Tudo depende de retorno. Continuamos estudando e com capacidade de fazer", disse o executivo.

A Taesa fechou o terceiro trimestre com lucro líquido de 218 milhões de reais, alta de 36,8 por cento na comparação anual.   Continuação...