Temer diz que vitória de Trump não muda relação dos EUA com Brasil; Fazenda e BC estão prontos para atuar

quarta-feira, 9 de novembro de 2016 17:56 BRST
 

Por Lisandra Paraguassu e Silvio Cascione

BRASÍLIA (Reuters) - A vitória de Donald Trump na corrida pela Presidência norte-americana não vai mudar a relação dos EUA com o Brasil, afirmou nesta quarta-feira o presidente Michel Temer, mas o Banco Central e o Ministério da Fazenda já deixaram claro que estão prontos para agir para neutralizar a volatilidade na economia com o novo cenário.

"A relação do Brasil com os Estados Unidos, assim como com os demais países, é institucional", afirmou pela manhã Temer em entrevista à rádio Itatiaia. "Estou mandando cumprimentá-lo (Trump) pela eleição, tenho certeza que não muda nada na relação Brasil e EUA."

O republicano Trump surpreendeu o mundo derrotando a franca favorita Hillary Clinton na eleição presidencial dos Estados Unidos na véspera, encerrando oito anos de governo democrata e colocando o país em um caminho novo e incerto.

A reação dos mercados financeiros no mundo todo foi imediata, com as bolsas de valores em queda e o dólar em alta diante de moedas de países emergentes, trazendo volatilidade sobretudo pela manhã. No Brasil, a moeda norte-americana BRBY chegou a subir mais de 2 por cento, batendo em 3,25 reais, e a Bovespa BVSP caiu mais de 3 por cento.

Após o discurso mais conciliador de Trump, parte do nervosismo dos mercados perdeu força, mas ainda existiam muitas dúvidas sobre o futuro da condução política e econômica da maior economia do mundo sob a batuta de Trump, que durante sua campanha à Casa Branca defendeu ideias protecionistas e radicais. Ele é considerado, até agora, imprevisível.

Sendo assim, a equipe econômica brasileira saiu a campo para tentar acalmar os ânimos dos agentes econômicos. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, defendeu que a economia brasileira está preparada para lidar com os impactos econômicos após a eleição dos Estados Unidos.

"O Brasil está preparado para lidar com qualquer volatilidade dos mercados", afirmou o ministro por meio de nota.

Meirelles também destacou que a equipe econômica vem acompanhando a evolução dos principais indicadores e os efeitos da eleição de Trump para o crescimento do Brasil, sobretudo nas projeções para 2017.   Continuação...

 
Temer faz discurso na ONU. 20/9/2016. REUTERS/Carlo Allegri