Aneel e ministério não discutem ampliar parcelamento de indenizações a elétricas

quinta-feira, 10 de novembro de 2016 13:54 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O Ministério de Minas e Energia e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) desconhecem qualquer intenção do governo federal de rever o parcelamento de indenizações bilionárias devidas pela União a elétricas pela renovação antecipada de contratos de concessão de transmissão de energia no final de 2012, no âmbito de um pacote de medidas para a redução de tarifas.

O ministério já autorizou o pagamento dessas compensações às empresas a partir do segundo semestre do ano que vem, com parcelamento em oito anos, mas o jornal Valor Econômico publicou na semana passada que haveria discussões entre autoridades e a Aneel para ampliar esse prazo para 16 anos.

O objetivo do alongamento seria evitar um impacto maior nas tarifas, uma vez que os recursos para quitar os compromissos serão arrecadados por meio de um encargo na conta de luz.

Mas o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, afirmou que não tem conhecimento de conversas nesse sentido. "Desconheço completamente, e se tomar conhecimento, discordo. Acho que oito anos já é um tempo longo demais", disse Rufino a jornalistas nesta quinta-feira.

O Ministério de Minas e Energia também afirmou em nota que "desconhece o assunto", após questionamento da Reuters.

(Por Luciano Costa)