Leilões de café podem zerar estoque do governo em 2017, indica ministério

sexta-feira, 11 de novembro de 2016 12:54 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Praticamente todo o estoque público de café do Brasil deverá acabar até o terceiro trimestre do próximo ano, com o governo brasileiro realizando vendas de suas reservas para amenizar uma escassez no mercado interno, afirmou o Ministério de Agricultura nesta sexta-feira.

O Brasil, maior produtor e exportador global da commodity, possui atualmente em estoque estatal de cerca de 888 mil sacas de 60 kg de café, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A Conab tem programado um leilão de 91 mil sacas no próximo dia 18 e o governo promete uma nova autorização do Conselho Interministerial de Estoques Públicos (Ciep), ainda este ano, para a venda de 725 mil sacas de café, em leilões periódicos a partir de janeiro de 2017.

"Com essas vendas, cumprimos o papel de complementar o abastecimento nacional utilizando estoques públicos em momentos de baixa oferta...", disse o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller.

A situação do mercado tem impulsionado os preços de alguns tipos de café a valores recordes.

Os leilões em 2017 ocorrerão diante de avaliações que indicam baixa oferta no abastecimento até o início da próxima colheita, em maio, em meio a firmes exportações e consumo no país.

O consumo de café no Brasil, segundo maior consumidor mundial da commodity, subiu 3,4 por cento nos 12 meses terminados em outubro, para cerca de 21 milhões de sacas, segundo dados divulgados nesta semana pela associação de torrefadores Abic.

A safra brasileira cresceu este ano para perto de 50 milhões de sacas, segundo dados oficiais, mas a produção praticamente não consegue fazer frente ao consumo interno e às exportações, superiores a 30 milhões de sacas, levando produtores a usarem seus estoques.

No acumulado do ano, o governo do Brasil já realizou vendas de mais de 700 mil sacas.   Continuação...