Dólar sobe mais de 1% sobre o real, com Trump; BC volta a atuar

segunda-feira, 14 de novembro de 2016 10:33 BRST
 

Por Claudia Violante

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar operava em alta de mais de 1 por cento ante o real na manhã desta segunda-feira, com os investidores ainda se desfazendo posições de países emergentes, como o Brasil, após a vitória de Donald Trump à Presidência norte-americana e em meio à disparada dos rendimentos dos Treasuries.

Às 10:17, o dólar avançava 1,16 por cento, a 3,4315 reais na venda, depois de subir 7 por cento nos últimos três pregões. O dólar futuro subia cerca de 1,5 por cento.

Na máxima do dia, a moeda norte-americana bateu 3,4752 reais, com alta de 2,44 por cento.

"O mercado está bem atento ao que está acontecendo lá fora e o destaque é a alta bastante firme dos juros dos Treasuries", comentou o economista da corretora BGC Liquidez, Alfredo Barbutti.

Em sua campanha à Presidência, Donald Trump prometeu criação de empregos principalmente por meio de gastos em infraestrutura, o que pode gerar inflação e obrigar o Federal Reserve, banco central norte-americano, a ser mais agressivo em sua política de elevação das taxas de juros. Assim, as taxas dos títulos norte-americanos subiam, com destaque para os de 10 anos.

Juros mais altos nos Estados Unidos têm potencial para atrair recursos aplicados em outros mercados, como o brasileiro. O dólar também subia frente a outras moedas de países emergentes nesta sessão, como o peso mexicano.

Com a forte reação no mercado de câmbio, o Banco Central brasileiro voltou a atuar por meio de swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares. Neste pregão, ofertará até 15 mil contratos, para rolar os swaps que vencem em 1º de dezembro.

No entanto, o mercado está de olho em novas atuações, como fez o BC no pregão passado, quando anunciou outros dois leilões de swaps tradicionais. Desde abril passado ele não usava esse instrumento, atuando apenas por meio de swaps reversos, que equivalem à compra futura de dólares.

O presidente do BC, Ilan Goldfajn, já afirmou que continuará atuando no mercado de câmbio, ressaltando que o estoque de swaps tradicionais é menor hoje em dia, o que dá "conforto" para a ação do BC. Disse ainda que o câmbio flutuante no Brasil é uma importante ferramenta e repetiu que o BC somente reduzirá o estoque de swaps tradicionais quando as condições de mercado permitirem.

Por causa do feriado da Proclamação da República na terça-feira, a "tendência é de volatilidade e baixos volumes", segundo a corretora Fair, em relatório a clientes.

 
Notas de real e dólar vistas em casa de câmbio no Rio de Janeiro.     10/09/2015        REUTERS/Ricardo Moraes