Bovespa opera sem viés definido com receios sobre Trump ainda no radar

sexta-feira, 18 de novembro de 2016 11:51 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da Bovespa oscilava entre leves altas e baixas no final da manhã desta sexta-feira, em sessão marcada por cautela em meio às incertezas que tomaram conta do mercado após a eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos. Além disso, os ganhos do Itaú Unibanco diminuíam a pressão sobre o indicador.

Às 11:49, o Ibovespa subia 0,12 por cento, a 59.844 pontos. O giro financeiro era de 1,31 bilhão de reais.

O mercado acionário brasileiro vem sofrendo turbulências desde a inesperada vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais norte-americanas. Com isso, o Ibovespa voltou a operar abaixo dos 60 mil pontos, distanciando-se da marca de 65 mil pontos em que trabalhava entre o fim de outubro e o início de novembro.

Segundo operadores, até que se tenha mais clareza sobre a condução das políticas de Trump, assim como seus impactos em outros países como o Brasil, a volatilidade deve persistir.

Na véspera, a chair do Federal Reserve, Janet Yellen, disse que o banco central pode subir juros "relativamente em breve", em declarações que também abriram espaço para aumento nas apostas de que o ritmo de aperto monetário pode ser mais rápido do que se esperava. Seus comentários ajudaram a pressionar os negócios na véspera.

Ao mesmo tempo, contudo, o anúncio de que Yellen seguirá no cargo até o fim do mandato arrefeceu o nervosismo de investidores.

"Ainda há pouco, esperava-se que a volatilidade pós-eleições pudesse levar o Fed a postergar qualquer movimento; e que Janet deixaria o Fed, por conta de críticas de Donald", escreveram analistas da corretora Guide Investimentos em nota a clientes.

DESTAQUES   Continuação...