Volkswagen faz acordo com sindicatos para corte de 30 mil empregos

sexta-feira, 18 de novembro de 2016 18:46 BRST
 

Por Andreas Cremer e Jan Schwartz

WOLFSBURG, Alemanha (Reuters) - A Volkswagen e sindicatos de trabalhadores acertaram um acordo para corte de 30 mil empregos na marca central do grupo automotivo em troca por compromisso da empresa de evitar novas demissões forçadas na Alemanha até 2025.

Além da Alemanha, as vagas a serem eliminadas estão na América do Norte, Brasil e Argentina, informou a companhia, sem dar detalhes. Cerca de 120 mil funcionários trabalham para a marca Volkswagen na Alemanha, incluindo 6 mil temporários.

Procurados no Brasil, representantes da Volkswagen não comentaram o assunto das demissões no grupo. A empresa emprega no Brasil cerca de 20 mil funcionários em quatro fábricas.

Na semana passada, o presidente da companhia para América do Sul, Central e Caribe, David Powels, anunciou investimentos de 7 bilhões de reais no Brasil até 2020.

Os cortes de vagas foram anunciados no mesmo dia em que a empresa divulgou plano de recuperação que pretende gerar 3,7 bilhões de euros em economias anuais até 2020 e elevar a margem operacional da marca Volkswagen para 4 por cento, ante 2 por cento esperados para este ano.

A meta, porém, continua abaixo do desempenho apresentado por rivais europeias como a Renault e Peugeot-Citroen, que miram margem operacional de 6 por cento em 2021.

A Volkswagen, maior montadora da Europa, tenta superar o escândalo em que burlou testes de emissão de poluentes de veículos com motores a diesel, que deixou o grupo alemão diante de bilhões de euros em potenciais multas e acordos judiciais.

Os cortes de vagas vão vir com a promessa da companhia de criar 9 mil posições na área de produção de baterias e serviços de mobilidade em fábricas na Alemanha, como parte da estratégia do grupo em investir em veículos elétricos e direção autônoma.   Continuação...

 
Logo da Volkswagen em fábrica em  Wrzesnia, Polônia
09/09/2016 REUTERS/Kacper Pempel/File Photo