Cenário econômico difícil não abala planos de expansão da Lojas Renner

terça-feira, 29 de novembro de 2016 14:17 BRST
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A ausência de sinais concretos de retomada do consumo no Brasil não abala a confiança da Lojas Renner sobre seu plano de expansão de lojas nos próximos cinco anos, conforme a empresa vem revisando processos e fortalecendo seu balanço, com foco em estratégias voltadas para o longo prazo.

"Esse momento de cenário mais desafiador pode trazer oportunidade de crescimento também", disse em entrevista à Reuters o diretor financeiro e de relações com investidores da companhia, Laurence Gomes, ao ser questionado sobre os planos de expansão da empresa.

A Lojas Renner, que também tem as bandeiras Camicado e Youcom em seu portfólio, ainda está finalizando o orçamento para 2017, que deve trazer os investimentos e expectativa de abertura de lojas para o período.

De acordo com Gomes, o plano deve ser votado pelo conselho de administração em janeiro, mas ele afirmou que empresa tem expectativa de abertura de quatro lojas no Uruguai em 2017, o que marcará o início da expansão internacional da empresa.

Em maio deste ano, o conselho da varejista aprovou a revisão do número de lojas previstas para a Renner no Brasil até 2021 para 450 unidades ante 408 na estimativa inicial. Assim, nos próximos cinco anos, a companhia precisa abrir, em média, cerca de 30 lojas por ano para cumprir a meta - ritmo superior a 2014, 2015 e 2016.

O executivo ponderou que os últimos dois anos foram difíceis, com ritmo de atividade econômica baixo, resultados negativos no PIB, mas que a empresa também tem aproveitado para revisar processos e eficiência operacional, o que tem se refletido nos resultados.

"Embora em um cenário mais difícil, a rentabilidade da companhia aumentou, a geração de caixa está também crescendo, reduzimos o endividamento, estamos com caixa sólido", afirmou.

Nos nove meses até setembro, o fluxo de caixa livre foi de 360,8 milhões de reais, salto de mais de 250 por cento na base anual. No mesmo período, as vendas em mesmas lojas ficaram praticamente estáveis, com variação positiva de 0,1 por cento em relação aos primeiros nove meses de 2015.   Continuação...