Consumo de aço do Brasil em 2017 deve crescer 3,5%, diz IABr

terça-feira, 29 de novembro de 2016 20:02 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O consumo aparente de aço no Brasil no próximo ano deve subir cerca de 3,5 por cento, para cerca de 18,5 milhões de toneladas, informou nesta terça-feira a associação que representa os produtores da liga no país, IABr.

Para este ano, a entidade espera uma queda de 16,2 por cento no consumo aparente, conceito que inclui vendas de produtos produzidos no país e importações.

Já para as vendas internas de aço a expectativa é de alta de 3,6 por cento em 2017, para 16,9 milhões de toneladas, segundo o IABr.

Em 2016, as vendas internas devem cair 10,1 por cento, para 16,3 milhões de toneladas.

Segundo o IABr, o setor siderúrgico retrocedeu em 2016 cerca de dez anos devido à forte queda na demanda interna.

"Em 2016, fecharemos com mesmo nível de produção de 10 anos atrás e com cerca de 30 milhões de toneladas ou 60 por cento da capacidade instalada", disse o presidente do conselho diretor do IABr, Alexandre Lyra, a jornalistas.

"Estamos numa máquina do tempo (...) ao longo desses 10 anos foram feitos investimentos para uma capacidade de 50 milhões de toneladas, mas a produção está bem abaixo disso”, acrescentou.

A previsão de expansão das vendas e do consumo aparente em 2017 é apoiada na perspectiva do IABr de um crescimento do PIB no ano que vem de entre 0,6 e 0,7 por cento ante expectativa de expansão de 1 por cento, estimada pelo governo.

Segundo a entidade, a retomada da economia precisa passar pelas exportações e por isso o IABr tem defendido a elevação da a alíquota do programa Reintegra dos atuais 0,1 por cento para 5 por cento a partir de 2017.   Continuação...