SulAmérica prevê 2017 difícil para ramo segurador no Brasil

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016 17:25 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O próximo ano deve ser difícil para o ramo segurador no Brasil, com aumento dos sinistros, pálido crescimento da economia e menores receitas financeiras, disse o presidente-executivo da SulAmérica, Gabriel Portella, nesta quinta-feira.

"Vai ser um ano difícil, com desafios diferentes para alcançar o equilíbrio", disse o executivo em encontro com jornalistas.

Embora siga crente de que o país em 2017 sairá da recessão após dois anos, a SulAmérica, maior seguradora independente do país, reduziu a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do país para o período, de cerca de 1 para 0,7 por cento.

Isso deve impactar a velocidade de vendas de produtos ligados a emprego e renda, como seguros massificados e de saúde, disseram executivo da seguradora no encontro.

A perspectiva da SulAmérica é de que os índices de emprego comecem a melhorar a partir do fim da primeira metade de 2017. Segundo Portella, a SulAmérica conseguiu proteger sua base de beneficiários de seguro saúde, que era de 2,1 milhões no fim de setembro, mesmo com queda no setor neste ano.

Em planos odontológicos, a empresa teve um aumento de cerca de 20 por cento dos beneficiários em 12 meses até setembro.

No caso do seguro automotivo, a previsão de executivos da SulAmérica é que o recente de aumento dos preços das apólices tenda a se prolongar no próximo ano, à medida que as seguradoras têm reagido à alta dos níveis de sinistros e à inflação elevada.

Além disso, a perspectiva é de queda das receitas financeiras do setor, acompanhando a tendência de declínio da Selic, que referencia boa parte da rentabilidade dos títulos nos quais as seguradoras investem recursos. Na véspera, o Banco Central cortou a taxa básica pela segunda vez seguida, a 13,75 por cento ao ano.

A perspectiva da SulAmérica é de que a taxa caia para cerca de 11 por cento ao ano no final de 2017.   Continuação...