1 de Dezembro de 2016 / às 21:47 / 10 meses atrás

Odebrecht admite "práticas impróprias" e quer vender R$12 bi em ativos até meados de 2017

Homem caminha atrás de placa da Odebrecht na sede da empresa em São Paulo 22/03/2016 REUTERS/Paulo Whitaker

SÃO PAULO (Reuters) - A Odebrecht admitiu nesta quinta-feira que participou de práticas empresariais impróprias e anunciou uma série de medidas destinadas a melhorar a governança e a manter a solidez financeira do grupo, um dos principais alvos do escândalo de corrupção investigado pela operação Lava Jato.

“O que mais importa é que reconhecemos nosso envolvimento, fomos coniventes com tais práticas e não as combatemos como deveríamos”, disse a maior empreiteira da América Latina em comunicado.

Mas o comunicado não mencionou a assinatura de um acordo de leniência com procuradores da Lava Jato, no qual o grupo aceitou pagar multa de 6,7 bilhões de reais, segundo publicou a Reuters, citando fonte ligada ao Ministério Público.

O acordo de leniência abre caminho para a assinatura de acordos de delação premiada com 77 executivos e funcionários da Odebrecht, incluindo o ex-presidente Marcelo Odebrecht, preso em Curitiba e condenado a 19 anos e 4 meses de prisão em ação da Lava Jato.

No documento, intitulado “Desculpe, a Odebrecht errou”, o grupo também anunciou um conjunto de compromissos de atuação futura, incluindo o de não tolerar corrupção e de ter pelo menos 20 por cento de membros independentes no conselho de administração.

No plano financeiro, a companhia informou que está executando um plano destinado a garantir sua solidez financeira, incluindo a venda de cerca de 12 bilhões de reais em ativos até meados de 2017. Desse total, já foi alienado o equivalente a 5 bilhões de reais.

O programa já envolveu a venda da fatia de 70 por cento na Odebrecht Ambiental, pelo equivalente a 878 milhões de dólares, em outubro; de 57 por cento da concessão rodoviária Rutas de Lima, no Peru; de 100 por cento da Concessionaria Trasvase Olmos e H2Olmos, de concessões de irrigação no Peru; e da Odebrecht Energias Alternativas.

Além disso, o grupo ainda negocia a venda de participação de 28,6 por cento na empresa de energia Santo Antônio Energia; de uma usina hidrelétrica e de um gasoduto no Peru; de participação em um bloco de petróleo em Angola; e das unidades de tratamento de águas industrias Cetrel, Ecosteel Gestão de Águas e Ecosteel Gestão de Efluentes Industriais.

Simultaneamente à reestruturação da unidade Odebrecht Agroindustrial, a Odebrecht Óleo e Gás negocia com detentores de títulos de sua subsidiária Odebrecht Offshore, afetados pela rescisão pela Petrobras, em 2015, de um unidade de perfuração para exploração de petróleo.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below