Libbs Farmacêutica vê desaceleração no faturamento em 2017; EUA está no radar

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016 11:53 BRST
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A fabricante brasileira de medicamentos Libbs prevê crescimento de 7 a 8 por cento no faturamento em 2017, cerca de metade da expansão prevista para este ano diante do impacto da crise econômica no país, disse o presidente-executivo da companhia, Alcebíades Athayde Júnior.

"Pessoas desempregadas vão menos ao médico...e como a indústria farmacêutica de certo modo vive da prescrição médica, certamente isso afeta no médio prazo", afirmou o executivo em entrevista à Reuters.

A fabricante de medicamentos deve encerrar 2016 com faturamento de 1,5 bilhão de reais, uma alta de 15 por cento frente ao resultado de 2015. "Ninguém está imune à crise", destacou. "Nós acreditamos que haverá realmente impacto da crise econômica", afirmou, referindo-se ao resultado do próximo ano.

De acordo com a companhia, citando o levantamento IMS Health/Pharmaceutical Market Brazil, a Libbs é a nona farmacêutica do país no mercado de varejo. O laboratório produz medicamentos para especialidades como cardiovascular, ginecologia, oncologia e sistema nervoso central, entre outros. Entre seus concorrentes estão laboratórios como Aché, EMS Pharma e Hypermarcas.

No Brasil, a companhia, de controle familiar, prevê continuar crescendo organicamente, mas uma expansão internacional está no radar, particularmente para o mercado norte-americano.

"O que podemos começar a fazer é procurar alguma possibilidade de estar lá (Estados Unidos), na área de pesquisa, ou se acontecer de uma pequena empresa estar disponível para venda por um bom preço, é uma possibilidade", destacou.

NOVO MERCADO   Continuação...