Bovespa fecha em alta de 2,1% por noticiário corporativo, apesar de cena política

terça-feira, 6 de dezembro de 2016 19:36 BRST
 

Por Flavia Bohone e Gabriela Mello

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da Bovespa fechou em alta nesta terça-feira, com o noticiário corporativo colocando as ações de JBS e Localiza no topo da lista de principais altas, numa sessão marcada por crescente cautela em meio à tensão política.

O Ibovespa subiu 2,1 por cento, a 61.088 pontos. Na mínima da sessão, o índice recuou 0,7 por cento e, na máxima, subiu 2,35 por cento. O volume financeiro somou de 7,8 bilhões de reais, superando a média diária do ano até a véspera, de 7,39 bilhões de reais.

Inquietações no cenário político brasileira mais uma vez deram tom às negociações na Bovespa, que abriu pressionada pela decisão liminar do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, de afastar Renan Calheiros (PMDB-AL) da presidência do Senado.

Mas a reação da Mesa do Senado, que se recusou a aceitar a liminar de Mello, e a decisão do STF de julgar o afastamento de Renan no plenário da corte na quarta-feira ajudou a aliviar os maiores temores entre os investidores, preocupados a tramitação da Proposta de Emenda à Constituição que estabelece um teto para os gastos públicos.

Segundo Ariovaldo dos Santos, gerente da Hencorp Commcor DTVM, os investidores sinalizaram que afastar Calheiros da presidência do Senado pode comprometer a aprovação das medidas necessárias para recuperação da economia no Congresso.

"O mercado parece ter entendido que é melhor ficar com ele (Renan Calheiros) até a votação. Se não sair a PEC (do Teto de Gastos), as coisas pioram", comentou. A votação da PEC dos gastos em segundo turno no Senado está marcada para o dia 13.

Ao mesmo tempo, o noticiário corporativo trouxe um viés altista para alguns papéis, com destaque para o plano de reorganização da JBS, o acordo da Localiza para comprar as operações brasileiras da norte-americana Hertz e o aumento de preços do diesel e da gasolina anunciado pela Petrobras.

  Continuação...